Adoções Possíveis - 19/04/2021 - 12:06:51
Juíza Emanuela Porangaba discute preconceitos e mitos que envolvem a adoção
Palestra virtual acontece nesta terça (20) e integra curso preparatório para postulantes à adoção no interior

Juíza Emanuela Porangaba é titular da Comarca de Murici. Juíza Emanuela Porangaba é titular da Comarca de Murici. Foto: Caio Loureiro
- Curso preparatório para adoção esclarece dúvidas de quem pretende adotar

- Juíza Emanuela Porangaba explica como é realizado o curso preparatório para adoção

A adoção ainda é cercada por muitos preconceitos e mitos. Há quem afirme que crianças e adolescentes adotados trarão problemas no futuro ou que sempre carregarão traços negativos dos pais biológicos. Para esclarecer o assunto, a juíza Emanuela Porangaba profere palestra virtual nesta terça (20), a partir das 18h, para cerca de 40 pretendentes à adoção, cadastrados em comarcas do interior de Alagoas.

"A ideia de que a criança sempre tem problema ou vai apresentar problema lá na frente é um grande mito. A gente sabe que o meio social e o relacionamento de afeto que ela terá com a família adotante serão fundamentais para o estabelecimento de vínculos e para trabalhar as experiências negativas que eventualmente ela possa ter tido", explicou a magistrada.

Outro mito, segundo a titular da Comarca de Murici, é o de que crianças e adolescentes adotados vão querer voltar para os pais biológicos, depois de adultos. "O direito a conhecer sua verdade biológica existe no ordenamento jurídico brasileiro. Isso é assegurado à criança e ao adolescente, mas nem sempre eles vão procurar ou querer voltar aos pais biológicos". 

Para Emanuela Porangaba, o preconceito à adoção ocorre porque há uma supervalorização do fator biológico. "Acredita-se que o filho biológico não terá problema e dará mais afeto aos pais, quando muitas vezes a gente vê o contrário", disse a juíza, ressaltando que é comum também o preconceito contra a adoção tardia. 

Na palestra, a magistrada vai falar ainda sobre a importância do estágio de convivência para a construção dos vínculos familiares. Segundo Emanuela Porangaba, essa é uma etapa prevista no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). 

"É um momento importante em que se faz um teste de afetividade. É um período de adaptação necessário envolvendo adotantes e adotados".

Curso para adotantes

A palestra faz parte do curso preparatório para adoção, promovido pelo Núcleo Regional Multidisciplinar da Comarca de União dos Palmares. A capacitação, que ocorre pela plataforma Zoom, teve início no dia 6 de abril e termina no próximo dia 27. O curso é uma exigência para a habilitação e inclusão do pretendente no Sistema Nacional de Adoção (SNA).

"É o momento de os participantes mostrarem as aflições, as ansiedades, todas essas coisas que a gente sabe que estão presentes e que existem no processo de adoção", explicou a juíza.

A coordenadora da Casa Lar de Murici, Cecília Jordão, também vai proferir palestra. Ela discutirá o direito ao reconhecimento das origens. "É importante para as crianças e adolescentes saberem de onde vieram. Não conversar sobre isso traz consequências para a questão do desenvolvimento", reforçou.

Diretoria de Comunicação - Dicom TJAL DS
imprensa@tjal.jus.br - (82) 4009-3141/3240


Curta a página oficial do Tribunal de Justiça (TJ/AL) no Facebook e acompanhe nossas atividades pelo Twitter. Assista aos vídeos da TV Tribunal, visite nossa Sala de Imprensa e leia nosso Clipping. Acesse nosso banco de imagens. Ouça notícias do Judiciário em nosso Podcast.